domingo, 14 de abril de 2013

Padaços pra Todos os Lados

Fui atingindo por um tornado, sangrei meus joelhos enquanto orava por sobrevivência, e encontrei um demônio escondido dentro de meu travesseiro molhado.
Está ficando mais difícil a cada dia acreditar em qualquer coisa, muito mais do que simplesmente perder-me meus pensamentos altruístas inescapáveis. As tentativas de libertação esgotaram os estoques de lagrimas. As lagrimas esgotaram o pouco de força que sobrou. Desde que passei a procurar minhas coisas entre tantos destroços vizinhos desconheço o que fui eu mesmo antes disso tudo.
Estou tentando recuperar o que era meu. Estou tentando saber como achar, na falta de alguém que possa me responder.  O dia dura pouco. Escurece e não temos energia elétrica. Nada vejo... 
Em tempos como esses fica difícil sobreviver vivo. Nesses dias frios e úmidos, nem de luzes acesas o dia deixa de ser noite. E Eu? Eu vou desligar, em todo o meu cansaço, a esperança. Eu vou desligar a esperança.
Sem fome, sem sede, sem expectativas... A pior parte é, antes que fique pior, ser dirigido a um penhasco e na queda livre perceber que estarei melhor ao atingir o... Fundo. A pior parte é esperar, projetar ideias fervorosas de esperanças que não estão dentro de mim.
A lastima parece insuperável. Vejo todos que eu admirava quebrar. Não há pra onde correr da lamuria. Não existe chance de escapar da verdade. E não há como suporta-la desnutrido de fé. 
Lidando com minhas perdas, tudo no que me baseio é a necessidade de reaver "aquilo lá que perdi".
Como posso avaliar quanta falta me faz perder? E esse "down down" infernal!? Sem tempo pra isso. Nem sempre se tem a graça de ganhar. Daí o milagre de tomadas de decisões emergenciais assertivas... Estou procurando atalhos e soluções falhas pra trazer para fora a força que era, que existia, que - não era minha! - mas me fazia companhia. Porém, até agora o que consegui foram desesperados gritos de socorro a Deus.
Certo, consigo ver por trás da cortina, escondido nas sombras de luzes e velas acesas, em preces, alguém rezando. Posso ouvir rodas rangindo, girando, tudo está errado, do jeito que vou sem coragem de ir. Continuo fingindo que acredito. Até que não haja nem mais esse pouquinho de energia e eu desligue, simplesmente desligue a esperança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diz-me o que vibra.

Seguidores