quarta-feira, 10 de abril de 2013

De Fora do Cerne

          Eu renascia quando você se atrasava e chegava de jaqueta e olhos frios que eu vi brilhar. Você dizia que ninguém ama pra sempre. E disse que eu logo aprenderia a superar. Você julgava saber das coisas, me julgava aprendiz, julgou como se fossem suas minhas coisas... Mas eu sabia, eu sei; nada é bem assim como você dizia. Sabia que seria assim: eu sofreria quando você partisse, mataria minhas coisas, implorando por sua volta. Só não sabia que nada era tão assim como eu acreditava. Contava luas, contava noites, desesperadamente, não contei a ninguém todo o vazio, afinal vazio é espaço pra se contar consigo. Daí apenas contei comigo todos os dias, sem você saber, dado que nada havia a te contar. E não te deixei. Contei histórias, criei passatempos e me vi igual, esbarrando em tudo e caindo por cima como um bêbado. Bêbado de saudade. E não te deixei.
          Unicamente não quero mais estar associando minha solidão. Procurei dormir todas noites, ocupar todos os dias, pular cada segundo, para não restar tempo dentro de mim que algo de fora pudesse encontrar. Desconsiderado, eu mesmo cansei de esperar.
          Ainda espero. Torço por você, torço lenços, prestes a torcer meu pescoço, e não deixo de esperar. E por mais amor que eu tenha agora, nenhuma outra forma materializa o amor que sempre foi seu sem que esperasse e você não merecesse. Há tantas oportunidades, tanta gente nas cidades; quantos poderiam ser pra mim mais do que você, quantos se importariam mais. Mas por mais amor que eu receba agora, eu não dou nada. Sinto-me orgulhoso, eu pensei a respeito e sei que nada seria como antes. Eu vejo quem você é.
          Agora eu conheço cada erro. Mas de que isso vale?! Por mais amor que eu receba agora, não sei como superar a beleza maior do mundo.
         Já sabemos que você não tinha razão, mas porque eu tenho de ter? Talvez eu esteja enaltecendo qualquer coisa imaginária. Mas por mais amor que eu receba agora, eu queria que fosse você a dar. Que caralho disse que você é único, quem foi que decidiu que seria apenas você, quem fez você ser tanto, porque você não para de ser incrível?

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Diz-me o que vibra.

Seguidores